19 de dez de 2017

Trem

É mais que os pastos e plantações verdes no verão
mais que o cheiro de café recém passado vindo da cozinha (porque, juro, o cheiro é diferente em outros estados)
É mais que a culinária, na verdade
E bem mais que o gado que aqui é explorado
É tão simples e ao mesmo tempo é tão grandioso
É cada pequena lembrança que essas estradas me trazem
Também é o sotaque gostoso de ouvir - e às vezes falar
mas é mais que isso: é o sorriso que acompanha os bons dias
É essa sensação aconchegante em cada cumprimento carinhoso e desconhecido
de pertencer a esse espaço que geograficamente é tão grande, mas todo mundo tem algo ou alguém em comum
É me reconhecer, redescobrir e reinventar a cada vinda
É a saudade de uma tia no cheiro do cigarro de outra mulher
São os encontros e os reencontros
É como meu coração se aquece na atmosfera de cá
Minas Gerais é um trem que mexe com a gente.

4 de out de 2017

Figuras de linguagem

Catacrese é o corpo deste texto
Metalinguagem é a sílaba "ti" em repetitivo
Metáfora é a imensidão do céu no azul de alguns olhares
Comparação é o abraço quente como cobertor
Hipérbole é morrer de amor pelos ipês que colorem o planalto
Sinestesia é o sabor triste desses dias nublados
Paradoxo é a chuva fria que cai e aquece um pouco mais a seca
Prosopopeia é observar as gotas beijarem o asfalto
Polissíndeto com esse clima: ou é chá ou é café
Antonomásia é viver nas asas desse avião
Eufemismo é não se dar bem quando atrasada e o motorista do ônibus não te vê acenar
Onomatopeia? Bang!