26 de dez de 2010

Consequência da Insônia

Parece tão estranho pra mim, estar... Ou... Não estar... Profundamente apaixonada por alguém, por não viver em minha mente uma certa felicidadeou um certo amor utópico, por não me pegar rindo e ao mesmo tempo chorando pelos cantos, sonhando um amor possível somente pro meu coração.
Mas acho que me cansei. Cansei da minha ilha da fantasia. Cansei de sofrer por pessoas que não notam nem minha constante gargalhada quanto mais minhas silenciosas lágrimas.
Agora, eu finjo entender qualquer pensamento vago que me ronde no decorrer dos momentos, qualquer palavra insensata que escutem os meus ouvidos, tento entender muito do que sei ser incapaz de perceber e tento não parecer tão complexa assim, mesmo sabendo que o resultado não será exatamente o esperado... Só que não preciso, nem quero, ser conforme a sociedade impõe, e nem quero ser considerada a "rebelde sem causa" mesmo sabendo que tal título também é imposto pela mesma persistente e inconveniente sociedade persuasiva, lembrando sempre que eu, faço parte da mesma. 
Mesmo querendo tornar tudo mais simples, parece inútil, É um ciclo, incompreensível ao meu ver, e que talvez se torne menos complexo quando essa fase passar, quando eu mudar de nível nesse jogo de videogame que deram o nome de vida.
Até porque sei que essa sensação, seja ela boa ou ruim (ainda não decifrei) logo vai passar e talvez passe contra minha vontade, já que não quero voltar aos meus contos de fadas que ao contrário dos convencionais tendem ao final melancólico.
Não sei se quero me ver novamente presa ao ilusório, ao mágico e à perfeição, mesmo que me confunda, quero me ver livre de tanta coisa que por fim se torna similar ao sofrimento e nada mais.

1 de dez de 2010

Pequeno Desabafo.

Eu choro, pois eu passei pouco, porém ótimos momentos do seu lado, porque eu vou sentir saudade daquele abraço que me acolhia e do sorriso sem graça que você sorria! Choro sim, choro muito, porque eu não vou ter você por perto pra sempre te dar broncas e escutar as respostas mais estúpidas, mas quero que saiba, que mesmo tão longe, eu te amo de uma forma indiscutível por toda a minha vida, William (o meu Billy).


Eu não podia prender essas palavras dentro de mim, então peço desculpas à aqueles que leram e não entenderam, peço também um pouquinho de compreensão por tanta melancolia e sofrimento... :/

30 de nov de 2010

Mas... Porque?!

Eu quero saber o porque da distância, o porque do afeto. 
Poderíamos simplesmente nos relacionar, sem criar vínculos e nem elos, sem sentimentos muito profundos... Podia ser um relacionamento superficial, sem muita importância, e que depois de algum tempo a distância não iria ferir, machucar ou magoar tanto.
Eu quero saber porque não podemos levar todas as pessoas que amamos para todos os lugares que vamos, e eu digo de maneira física, não apenas os carregando em nossos corações.
Não entendo tanta complicação e nem tanto sofrimento.

Não quero me conformar com o fato de talvez nunca mais ver todas as pessoas que eu conheci e convivi (mesmo que por 15 dias), também não quero sofrer a dor da saudade. 
A distância, ah! Maldita distância! Causadora dessa minha angústia! Acho que nunca serei capaz de compreender sua necessidade, nem mesmo sei se quero compreendê-la, apenas sei que é de minha vontade, que ela não existisse!  

22 de nov de 2010

Desculpas

Me desculpe por não ser perfeita, me desculpe por não superar suas expectativas, por não ser quem você mais deseja e por não agir sempre conforme seu gosto.
Me desculpe se por ser quem sou eu te machuco, e se quando digo a verdade lhe arranco lágrimas. 
A verdade é que dói em mim também quando reage de tal forma, e dói mais ainda saber que apesar de todo meu esforço, luta, persistência... Eu não sou o bastante pra você. 
Torturo-me quando sou obrigada a dizer isso tudo, a mostrar-lhe o quão infeliz minh'alma é por trás de meu sorriso. 
A intenção não é que se sinta culpado, e nem que me julgue sofrida em demasia, a intenção é a verdade. 
Eu só queria me libertar dos soluços encobertos pela minha pseudo-satisfação. Eu só queria significar mais pra você, mas se isso exige de mim mais esforços... Apenas me resta conformar! Já não posso mais lutar pra tentar lhe agradar sem obter êxito! Meu corpo, mente e coração estão abatidos, cansados e inconsolados.
Eu fiz o que pude por você, agora tenho de fazer o que restou... Por mim. 

4 de nov de 2010

Desgosto pelo bem alheio.

Sentimento insensato, que amedronta, insano.
Como pode tamanha hostilidade se contrapor à doçura que seu coração aparenta? 
Talvez tenha sido esse o grande engano: tive um olhar supérfluo e me contentei com o que me pareceu belo, e insisto: pareceu. 
Mas não precisei examinar muito, não precisei insistir e nem pressionar, a verdade foi mostrada por si só, sem esforços, como tinha que ser, e agora, não há pano que tampe, não há véu que esconda, capa que proteja ou camufle... Ela está lá, pra quem quiser ver, a verdade está lá! 
Está estampada no rosto de quem a escondeu por tanto tempo, nos gestos incertos, nos atos inseguros, nos suspiros e lágrimas de crocodilo, em cada passo, olhar, palavra, sorriso, em cada aceno, abraço, em cada desejo que transcorre aquela mente indecifrável, e isso, me assusta a cada dia mais.
A frieza corre ao lado de toda essa loucura, e mesmo sendo impossível esconder a intolerância mútua, toda a companhia de atores age como se o drama ainda não houvesse estreado, e eu dançarei conforme a música, ou atuarei conforme o roteiro.
Algumas pequenas coisas podem ter mudado, mas nada que me afete.
Vou continuar andando, seguindo os meus passos, trilhando a minha melhor jornada, e pra tudo isso que deixaram transparecer por casualidade ou culpa, a sociedade já concebeu um nome: Inveja.

12 de out de 2010

Faz algum sentido?

Descobri que a solidão não faz sentido, talvez me achem atrasada por só descobrir isso agora, mas é que demorei um tempo tentando digerir a ideia e repassei algumas vezes dentro de mim se essa teoria não pudesse estar errada... No fim, acho que é isso mesmo.
Não faz sentido o UM, só. 
Não faz sentido o singular, nem o individualismo. 
Não faz sentido não ter pra quem dar a mão ou um um sorriso. 
Não faz sentido não ter alguém pra compartilhar momentos, não ter alguém pra te dar força e rir da sua cara quando estiver desesperado só pra tentar te mostrar que os problemas não são tão grandes como parecem ser... 
Descobri que a vida a dois é mais sensata, embora mais complexa, embora exija mais tempo e paciência, mais compreensão e solidariedade, mais carinho e afeto, mais expressividade, embora exija que você seja mais você.
Mas... Não era isso que eu tanto queria quando me vi debruçada sobre a solidão?! Porque então tanto reclamo agora que tenho alguém pra me aborrecer e depois me abraçar, se agora tenho alguém pra me magoar e me pedir desculpas, porque reclamo tanto agora que tenho alguém pra me provar quantas vezes quiser o quanto esse alguém me ama?! 
Na verdade descobri que o que não faz sentido é a vida em si. 
O presente é que não faz sentido, nem as minhas vontades, pois tudo aquilo que parece distante demais da realidade parece mais me agradar. 

8 de out de 2010

Happy 70th Bday, John Lennon!

clique aí: Parabéns, ídolo! 

Mesmo distante, ainda se faz presente. 

"Eu tenho o maior medo desse negócio de ser normal"

20 de ago de 2010

Sou o que não sou.

Sou o tudo e sou o tudo dentro do nada, sou o que há de mais novo na era mais antiga, sou o brilho mais irradiante no universo da escuridão, sou o sabor mais doce na boca mais amarga.
Sou a chuva em um dia de sol, a alma de menino no corpo de um senhor, sou a alucinação mais sóbria e o sonho mais real.
Sou cada segundo de um dia, cada beijo de um casal, sou cada página virada, cada palavra mal escrita.
Ainda sou a sua insônia e quando dormes, o pesadelo.
Sou a sua experiência, cada ato, sou tua essência.
Mais que pensas é aquilo que sou, estou além do limite, além de qualquer fronteira, estou distante e mais perto do que pareço estar, sou o perfeito cheio de erros, sou a sexta-feira, sou displicente, sou o incerto com destino traçado, sou o caminho, a solidão, sou bem pouco, sou o alto que está embaixo.
Sou só aquilo que não deveria ser.

12 de ago de 2010

MMA

Malditas são essas máquinas, não compreendi ainda como podem chamá-las de avanço se pra mim têm tido uma performance de nada mais além de regresso! Quanto incompetência! Vejamos pois que, hoje, atordoada com a correria cotidiana me envolvi em uma luta severa contra a máquina de meu computador, teimoso, atrasado, não segue à meus comandos, parece até ter vida própria... Ai, se tivesse! Já teria dado um jeito de tirá-la há tempos! 
E se diz tão avançado assim, porque insiste em acabar com a bateria nos momentos em que mais preciso?! Tantas vantagens, não? Pode ser carregado para inúmeros locais "facilmente", uma memória inacreditável, acho até que deveriam mudar o provérbio "memória de elefante" pra quem sabe "memória de computador", acessa os mais variados sites, serve como instrumento de trabalho e ao mesmo tempo de lazer! E quando realmente preciso, uma tal de bateria se diz não carregada... Ah! Mas me é necessário muita paciência...
Às vezes, em meio a contradição, penso que essas máquinas sejam mesmo muito espertas e façam isso apenas pra testar minha quantidade - garanto, essa é tão pouca que quase insignificante - de paciência, e ainda vos digo mais: Quando eu perder mesmo até a mais remota gota de paciência com uma dessas máquinas malditas, não há direitos humanos e sociais de eletrônicos que me impedirá de destruir um deles! 
MMA - Malditas Máquinas Arcaicas, ainda acredito na capacidade humana e acho mesmo desnecessário tanta tecnologia tão avançada.

29 de jul de 2010

home sweet home

De volta pra casa, aliviada.
Descansando e recompondo as energias, aumentando a saudade.
Saudade dos que foram, e foram tão depressa.
Conformismo, simplesmente.
Lembranças, lágrimas e aquela vontade que eu desejaria não sentir, vontade de reviver tudo de novo, tudo que já passou e que agora resta ser guardado.
Porém queria eu ter vivido de novo, feito tudo mais bem-feito, pensado antes de agir e falar qualquer palavra.
Tivesse menos graça, acho, mas tivesse mais segurança.
Lamento e medo de cair no esquecimento, de não ter tido o mesmo valor, de não ter sido tão importante como foram pra mim.
Vontade de mais abraços, mais risos, mais beijos.
Vontade de mais amor, mais verdade, mais tolerância.
Vontade de menos vontade eu tenho agora.

Carolina Rath.

28 de jun de 2010

Desnecessário

Sabes, quando fecho os olhos
ainda penso em ti
não que eu queira, não que eu precise;
Isso nem mesmo me convém
mas coração teimoso é assim.
Fazer o que?

Beijos nenis meus :*
Obrigada por (nem) sempre estarem aqui, haha

13 de jun de 2010

ontem,

Tava esperando o dia acabar pra começar um post sobre dia dos namorados. HAHA
meu dia dos namorados foi ótimo, obrigada.
emm casa, gripada e solteira (y)
uhulês, curti muito.

Noite (meio) fria, inspirador.
Então, vamo lá:

Só aquilo que eu vejo em você
Mas que nem sonhaste em saber,
Só aquilo que me fascina
no seu olhar
A forma como sei traduzir
cada palavra
que ainda nem disseste
Nada me impede de sonhar.

Se minhas mãos percorressem alguns quilômetros
eu juro que as faria te abraçar
Se meus pés me levassem à teu encontro
ficaria intacta a te observar
Diria baixo em teus ouvidos
ou talvez não precisasse mover sequer um músculo labial
Quem me dera poder só te escutar
dizendo tudo que eu não precisasse lhe falar

Um dia hei de acordar
talvez sua doce voz me embale no sossego dos meus sonhos
seus braços me acolham
e seus olhos que me fitem
pois nestes eu sei ler
qualquer palavra que desejas esconder

Carolina Rath, inspirada por amores platônicos. só.

11 de jun de 2010

ca-rên-cia.

carência (ca-rên-cia)
s.f.
Falta, necessidade, privação.
Período de carência, período legal ou convêncional suspensivo de um direito ou obrigação.
Doença de carência ou carencial, a devida à falta de vitaminas (avitaminose) ou de uma substânica mineral ou orgânica necessárias a vida.
Psicologia Carência afetiva, ausência total ou parcial de laços afetivos, p. ex., entre pais e filhos, origem de perturbações psíquicas entre as partes.

Carência.
Pode deixar, eu resumo: FALTA DE VOCÊ.

16 de mai de 2010

ressaaaaaaaaca!

eita, essa ressaca.
Lembranças da noite anterior: muitos doces, bolo, guaraná, músicas da Xuxa (e ao fundo, na festa do vizinho o bate-estaca), uma correria, muitas (muitas mesmo) vozes conversando..
É só isso que me lembro da noite anterior, tomei alguns goles de suco e um pouquinho só de cansaço.
Mas a ressaca, ô ressaca.
Me faz pensar que foi mais que isso, mas como mais que isso?! MAIS QUE ISSO PRA UM ANIVERSÁRIO DE NOVE ANOS?
Não.
Mas o que não fazer por uma prima mais nova, né não?

Empanzinei-me.
Cansei-me.
Indaguei-me.
Assombrei-me.
Ao olhar um pouco mais longe, me impressiono, afinal, todos nós crescemos.

Incrível.

25 de abr de 2010

fecho os olhos pra não ver passar o tempo,

sinto falta de você.

talvez eu sinta falta de mim mesma.
talvez sinta falta de um momento em que eu me abra pra mim e reveja minhas atitudes.
talvez eu sinta falta de não ter tantos problemas.
ou inventar tantos problemas.
talvez eu não queira voltar atras.
talvez eu só queira voltar pra rever sem nada mudar.
ou só voltar pra conseguir modificar.
talvez eu me abandone em um quarto qualquer.
quem sabe tempos depois eu volte pra me dar um oi.
quem sabe eu me abrace em um abraço quente, o qual preciso.
quem sabe eu só cuspa no meu rosto desleixado comprovando tudo que já sei.
quem sabe, ou talvez ninguém saiba.
nem mesmo eu saiba o que se passa em um coração descompassado.
em uma vida conturbada.
em uma alma tão vaga.
talvez ninguém tenha dado notícias, nem hão de ter sabido tanta coisa.
nem mesmo em minha vasta memória gostaria de encontrar vestígios do que não quero recordar.

Carolina Rath.

Por hoje é só. Basta.

27 de mar de 2010

Renato.


Já é quase meia-noite então quando eu terminar o post, talvez eu devesse considerar 'ONTEM' mas a comemoração é HOJE! 27/03 Aniversário do inigualável Renato Manfredini Junior - Renato Russo.
Eu não poderia deixar de vir aqui. Não mesmo.
Post carregado de cansaço, mas também de dedicação.
Juntando meu sono e minha consciência que não sou digna a fazer um post decente sobre Renato, deixo aqui somente minha manifestação de afeto pelo grande homem que ele foi, deixo aqui minha tristeza por saber que ele faria só 50 anos e que eu poderia um dia ver meu ídolo. O cara revolucionário. O homem que desde o dia que eu escutei sua primeira música, me senti compreendida, ou compreendendo, tanto faz. Aquele músico extraordinário fez história, deixou sua história, deixou suas lembranças e seu traçado, suas marcas e deixou sua legião de fãs, todos NÓS prosseguindo com o que ele começou. Não poderíamos simplesmente deixar desaparecer uma mente geniosa. Obrigada Renato, por em tão pouco período de vida, se fazer nosso exemplo *-*

Sentimos sua falta. Ou como ainda diria o mesmo: "Tenho saudades de tudo que ainda não vi".

5 de fev de 2010

A Moda de Alice

Primeiramente, olá!
Tava sentindo falta de postar aqui, afinal, mais de um mês desaparecida né?
Mas já voltei, e espero estar mais disposta, e com conhecimentos novos, idéias interessantes e boas dicas pra vocês...
O alvo do post de hoje, é a menina que mais anda na moda, que nunca saiu de moda, e com certeza nunca irá sair: Alice.
Sim, ela mesma, Alice's Adventure in Wonderland, normalmente abreviada para: Alice in Wonderland; ou em nosso idioma: Alice no País das Maravilhas.

O livro que conta a história de Alice que cai em uma toca de coelho e passa para um povoado e começa a viver momentos surreais. O livro escrito por Lewis Carroll foi traduzido pra mais de 50 linguas, e é um alvo fácil na era contemporânea.
Alice já serviu de inspiração para inúmeros desfiles de moda, já teve várias interpretações de filmes e peças teatrais (inclusive a adaptação do filme de Tim Burton será lançado no Brasil em abril deste ano... e EU VOU! *-* ), Alice que já foi também inspiração de músicas e clipes, na minha opinião, não sairá de moda jamais! ALICE DIVA *-*
SYADOUIASHDHYGYASGD

Trailler do Filme de Tim Burton, clique aqui.

trecho do livro:


Alice foi em frente: - Você poderia me dizer, por gentileza, como é que eu faço pra sair daqui?
- Isso depende muito de para onde você pretende ir - disse o Gato.

- Pra mim tanto faz, pra onde quer que seja... - respondeu Alice
- Então, pouco importa o caminho que você tome - disse o Gato

- ... contanto que eu chegue em algum lugar - acrescentou Alice, explicando-se melhor.
- Ah, então certamente você chegará lá se continuar andando bastante... - respondeu o Gato.

Bem, hoje é isso, estava com saudades...
até mais! :*