5 de jul de 2011

Biblioteca

Me vi parada no meio da biblioteca, senti falta do seu abraço como naquele dia que você se sacrificou pra passar mais tempo junto a mim. Senti falta de você ali para falarmos dos outros e brigarmos por qualquer motivo aleatório. Comecei a chorar. Quando eu menos esperava eu estava procurando por uma folha em branco para traçar (ou pelo menos tentar traçar) a personalidade de qualquer um que estivesse por perto, exatamente como você sempre faz. Mas ao invés disso, quando percebi que sou péssima nisso, usei o mesmo lápis e papel para tentar escrever algo pra você. Não que eu seja boa nisso também, mas é que o coração bate apertado e os olhos se esforçam para impedir que as lágrimas jorrem, enquanto a mão incessantemente traça alguns rabiscos tentando traduzir o que diz o coração.
Tentando estudar eu grifava todos os parágrafos e me lembrava outra vez de você e sem ao menos perceber, já tinha rabiscado um "Eu quero ir embora" no canto da página.
Dois dias se passaram e eu não queria que hoje fosse o terceiro, me parecem dois anos e uma ferida profunda na minha vida, a qual não cicatrizará tão cedo e sei que ela dói para que eu não me esqueça da perda.
Eu já havia exeperimentado o gosto da saudade antes, mas ele me pareceu muito mais amargo agora e eu sinto dizer que não sei até quando vou suportar.

08:30 A.M
Uberaba
Para: Vinicius Babilônia Branquinho
_________________________________________

Obs.: Só irão entender aqueles que sabem o que é um amigo de verdade.

2 comentários:

  1. Eu entendi, nem tanto por um amigo, mas e principalmente por uma amiga que me faz MUITA, mas MUITA falta nas coisas mais pequenas e rotineiras nas quais ela deixou sua marca...

    ResponderExcluir
  2. Senti muita saudades de comentar seus textos...
    Mas nem todas as coisas que eu faço consigo terminar. E talvez por isso eu tenha parado de fazer tantas delas.
    Senti também uma saudade danada de imaginar seus sorrisos na frente da tela enquanto conversávamos... é, essa foi difícil. Eu também imaginava, por estar entediada da conversa ou morrendo de sono, você se debruçando no punho sustentado com muito esforço apoiando o cotovelo na mesa.
    Mas isso são apenas imaginações. Portanto irreais. E nem pense em passar os dedos por baixo do óculos pra massagear os olhos na tentativa de descansá-los. Eu não estou vendo nada disso...
    Acabo me entristecendo. Afinal, uma amiga assim tão cara e sendo tão negligenciada? Sou mesmo um DESNATURADO.
    Mas acho que eu entendo...
    Ananji

    ResponderExcluir

Deixe aqui a sua poesia,ma sua crítica, parte de você: