8 de jan de 2013

Apenas mais uma de amor

Tentei ir embora duas ou três vezes, ele não deixou. Não que ele tenha me prendido com cordas e correntes, foram só suas palavras, elas foram mais rígidas que qualquer objeto que ousasse me prender de fato.
Fingir que quer que eu vá embora e quando eu já estiver fechando a porta chamar o meu nome: não há nada que ele faça que amoleça mais o meu coração.
Ele sabe como me irritar e põe suas "técnicas" em prática todos os dias; sabe como me fazer sorrir e sabe bem como agir quando quer me ver implorar por alguma coisa. 
Como não gostar do seu abraço reconfortante?! Como não me apaixonar pelas suas pirraças? Como não ceder o meu casaco pra ele usar de travesseiro durante a madrugada? Não consigo sequer olhar dentro de seus olhos sem sorrir.
Me prende com os próprios lábios. Neles encontro tudo que o faz mais meu. Assim como a cada dia mais minh'alma está um pouco mais nua, deixo de me ser, pra tornar-me sua.

Um comentário:

  1. Gostei do final meio Florbela Espanca (adoro)... Já leu?

    ResponderExcluir

Deixe aqui a sua poesia,ma sua crítica, parte de você: