11 de jun de 2013

Sem açúcar

Café gelado ou quente, com creme, pingado, capuccino, mocaccino, expresso, solúvel, frapuccino, hawaiano, curto ou longo, tanto faz, eu quero é sem açúcar e com toda cafeína que eu tiver direito. É pra descer amargo, combinando com a vida, desses que a gente até faz careta quando engole, porque tenho a sensação que também é assim quando as pessoas têm que me engolir. Não, não adianta tentar me enganar, eu também já fiz caretas pra engolir certas pessoas - e certos cafés - não muda nada, eu sei, o gosto ainda é péssimo, mas a cara torta, a língua pra fora e os olhos apertados deixam a situação mais cômica e tudo que engraçado faz bem pro coração. Foi meu cardiologista quem disse.

2 comentários:

  1. Você esta de Parabéns. Sua criatividade é impressionante, dá gosto de ler. Sucessos!!!

    ResponderExcluir
  2. Simplesmente p-e-r-f-e-i-t-o!

    ResponderExcluir

Deixe aqui a sua poesia,ma sua crítica, parte de você: