14 de fev de 2016

30

E sempre que eu sinto a água gelada tocar a pele, lembro do dia que te conheci. Quando já ouço o barulho d'água ao longe e sinto o calor do sol, lembro do dia exato que pude te admirar em silêncio enquanto caminhava na minha frente e eu me esforçava pra escutar cada palavra que você dizia. Recordo-me bem da sua camiseta branca, do óculos de sol e das sandálias pretas, que hoje coloco nos meus pés sempre que quero te sentir mais perto. Eu não imaginava o quanto eu sentiria falta de tão somente ter sua companhia enquanto eu caminho; do jeito que a gente enrosca os dedos na hora de dar as mãos e de tomar açai em um pote com duas colheres. 
E sempre que eu sinto a água gelada tocar a pele, eu me lembro dos beijos que tantas vezes troquei com o seu Sol. 
Quando já ouço o barulho d'água ao longe, te incluo nas minhas preces e tento aproveitar os dias que te separam de mim exatamente como eu aproveitava os minutos enquanto te observava dormir e te esperava acordar.
Olhar pra você e te admirar é tão fácil que consigo fazer de olhos fechados, enquanto sinto a água gelada tocar a pele, como da primeira vez.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui a sua poesia,ma sua crítica, parte de você: