28 de abr de 2016

Privatizaram a liberdade

Não sente a saudade ao partir
Não sente a euforia do chegar
Nem a fadiga ao desistir
Nem a exaustão ao caminhar
E se for estranho,
É proibido ficar
Tu te privas de sentir ou me proibes de sentar?
"Não sente"

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui a sua poesia,ma sua crítica, parte de você: