1 de nov de 2016

Espiral

De cristal
a bola e a lua
De fogo
o coração e o espírito

O gato, companhia
A vassoura, amuleto 
A fogueira, comunicação
A noite, abrigo

Ser bruxa vai além de proferir feitiços, gostar de inventar moda na cozinha, ter uma relação especial com os animais ou escolher o que vestir. 
Faz parte de ser bruxa se dedicar ao conhecimento ancestral e a si mesma, respeitar a Natureza e todos os seres que a compõem. Durante a trilha a gente encontra um ou outro obstáculo; no início, a noite gera insegurança, mas os olhos logo se acostumam com a quietude e com a luz tímida das estrelas. A confiança em si e no cosmo aumenta, Céu vira mapa; Rio e Mar viram chuveiro; Sol vira toalha e a Lua, a essas alturas, já é mais que confidente.
Além disso, nossas mestras e anciãs percorrem parte do caminho ao nosso lado, nos ensinam a lidar com os trechos tortuosos da espiritualidade e da magia, nos ensinam a virtude da humildade e os prazeres da coletividade: pedir ajuda não é demonstrar-se fraca, é reconhecer o triunfo daquelas que começaram a percorrer o caminho antes de nós.
Os animais, a gente logo descobre, são grandes aliados. Aprender a ouví-los exige dedicação, paciência e sensibilidade, mas depois que a comunicação é estabelecida, a solidão deixa de ser uma opção dentre muitas que o acaso oferece e se torna uma escolha. 
Aliás, nós também aprendemos que não existe acaso ou coincidência, tudo o que existe e acontece se não é uma escolha, um dia foi, e hoje experienciamos as consequências dela. Uma vez ciente disso, a qualidade da prudência se torna essencial, tudo o que vivemos é criação nossa e assumir essa responsabilidade requer maturidade e amor sincero por esse caminhar. 
Respeito é um dos princípios mais importantes pra nós e começamos por respeitar a nós mesmas e os nossos limites; da mesma forma, é necessária sabedoria para impor limites ao nosso ego pra que sejamos livres pra arriscar, pois caso a gente caia, já sabemos que não estaremos sozinhas ao levantar. 
Ser bruxa é agradecer a cada manhã as graças alcançadas, reconhecer os ciclos, perdoar, apaixonar, se entregar, esperar, chorar, lutar, conquistar, comemorar, ser. Não cabe em tão pouco espaço esse experimento vital, também não em infinitas palavras (mesmo que eu as tivesse), mas deixo aqui o registro de uma tentativa a título de comemoração.

Que cada bruxa possa carregar - e recarregar - a paz e a harmonia em seu lar. 
AHOW!